Murmuradores


Leitura: Números 11

O povo no deserto, por influência do populacho, teve vontade de comer carne, e murmurou a ponto de sentirem saudades do Egito. A ira do Senhor se acendeu contra aquele povo, e Moisés se sentiu fatigado de ter que suportar tamanho peso. O Senhor aliviou o peso de Moisés, ouvindo sua solicitação e depois mandou codornizes no meio do povo, saciando sua vontade de carne, mas também demonstrando sua indignação, matando boa parte dos israelitas. Que lições podemos tirar dessa leitura?

1 – O murmurador nunca tem razão.

O povo se cansou de comer do maná que o Senhor enviava e sentiu vontade de comer as iguarias do Egito. E o curioso é que eles diziam que naquele lugar, em que foram escravos, eles tinham comida “de graça” (vers. 5). Nada mais enganoso. Eles eram escravos, e inclusive, foi por conta de seu sofrimento que Deus os ouviu e os libertou. E agora eles queriam voltar para o Egito!

A murmuração é uma insatisfação da alma que se manifesta por meio de palavras amargas e insensatas. O murmurador não enxerga as coisas como elas realmente são. No Egito eles eram escravos. Agora eles tinham o seu próprio povo, rumavam em direção à promessa e sempre tinham Deus à sua disposição. Assim também nós, muitas vezes, quando cedemos à murmuração, nunca somos justos, sensatos em nossas reclamações. Quando murmuramos contra algo ou alguém, nossas palavras tendem ao exagero.

2 – A murmuração é o fruto de uma alma que não se deleita mais na comunhão com Deus.

Aquele povo tinha Deus à sua disposição. Entretanto, eles disseram: “seca-se a nossa alma” (vers. 6). Ora, Deus sempre estava presente no meio daquele povo (Números 9.15-23). Eles eram guiados de uma maneira surpreendente, como nunca havia ocorrido. Uma nuvem de glória os acompanhava. Entretanto, quando alguém se cansa, ou não dá o devido valor à presença do Senhor, acaba sentindo saudades do Egito. Uma pessoa que perde a comunhão com o Senhor volta a sentir saudades da velha vida. Se volta inclusive contra o estilo de vida do povo santo. Começa a sentir saudades da carne do Egito.

Uma das maiores tragédias da vida espiritual é quando Deus está ali, tão presente, mas a pessoa não consegue mais sentir. Uma alma assim se enche de insatisfação e começa a olhar para trás.

3 – Se você tem alguma insatisfação, você deve procurar diretamente o Senhor.

Foi isso que o próprio Moisés fez (vers. 10-14). Ele estava cansado de carregar todo aquele povo. Entretanto, ele “reclamou” diretamente com o Senhor. Não ficou murmurando pelos cantos.

Parece incrível, mas o Senhor permite que façamos assim. O próprio Deus não gosta que “falemos pelas costas d’Ele”! Isso não quer dizer que devemos blasfemar, ou coisa do tipo, mas podemos rasgar os nossos corações diante d’Ele!

Diga para o Senhor o que você sente! Exponha-se diretamente a Ele! Se você tiver razão, Ele irá te atender, como fez com Moisés. Se você estiver errado, Ele irá te mostrar, como fez com Jonas. De qualquer modo, não deixe de ter comunhão com o Senhor, e falar com ele por meio da oração!

4 – O desejo cumprido do murmurador pode se tornar em pura perda.

Sim, o Senhor deu carne para eles! Mas foi para pura perda (Salmo 106.6-15).  O Senhor fez as codornizes voarem a aproximadamente noventa centímetros do chão. O que menos apanhou carne, ficou com mais de dois quilos. Comeram desesperadamente! A ira do Senhor se acendeu contra eles, e milhares foram mortos!

O Senhor cumpriu o desejo dos insatisfeitos, mas foi para pura perda! Quantas pessoas reclamam tanto de sua vida, ou de outras pessoas, de amigos, do trabalho, do cônjuge, e mal sabem eles que tudo poderia estar muito pior!

Não permita jamais que a murmuração tome conta de ti, a fim de que sua alma não venha a definhar na presença do Senhor! 


fonte da ilustração: http://sombradoonipotente.blogspot.com.br/2012/07/as-codornizes-no-deserto.html

Postagens mais visitadas deste blog

Jesus, o nosso exemplo de humildade!

Deus, o nosso tesouro

Santificado seja o teu nome

Desembaraçando-nos de todo peso

Pai nosso que está nos céus

Filipenses 2.1-4 – Buscando viver em harmonia comunitária